19 de agosto – Um ótimo dia para oxigenar as ideias ;)

Quem fica com as fatias do bolo?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Como qualquer nome comprido, o Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) logo passou a ser conhecido apenas como Fundo Eleitoral. Criado em 2017, foi um dos reflexos da Operação Lava-Jato, visando evitar doações de empresas para campanhas políticas e a óbvia influência de empresários sobre os candidatos eleitos.

A distribuição dos R$ 4,9 bilhões do Fundo Eleitoral leva em conta o número de deputados e senadores de cada partido. É por isso que o União Brasil (UNIÃO), junção dos antigos DEM e PSL, sendo o maior, é também o mais rico. De acordo com relatório disponibilizado, dia 15, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em 2022 receberá R$ 782 milhões. Na sequência estão o Partido dos Trabalhadores (PT), com R$ 503 milhões, Movimento Democrático Brasileiro (MDB), R$ 363 milhões, Partido Social Democrático (PSD), R$ 349 milhões e o Progressistas (PP), com R$ 344 milhões. Esses cinco têm 47,24% do Fundo, enquanto outras 17 siglas dividem 52,76%. Os 10 partidos restantes, incluindo a Rede Sustentabilidade (REDE), de Marina Silva, não atingiram os requisitos mínimos para participar do bolo.

A receita do velho e do Novo

 O Partido Novo (NOVO) teria direito, mas renunciou ao Fundo Eleitoral e a verba será repassada ao Tesouro Nacional. Trata-se de um argumento a ser explorado na campanha eleitoral. Talvez queiram relacionar a prática com o que se faz nos Estados Unidos, onde o candidato tem direito à verba, mas ela raramente é utilizada. Quem sabe, né?

De acordo com o Instituto Internacional pela Democracia e Assistência Eleitoral (IDEA sigla em inglês), a Alemanha tem o melhor modelo. Lá, para cada euro doado ao partido, o Estado acrescenta 38 centavos, incentivando as siglas a estreitarem laços com o eleitorado. Além disso, cada voto recebido equivale a 70 centavos de financiamento público para as eleições seguintes.

No Brasil, a atividade popular mais comum nos partidos é a disponibilização de cursos gratuitos, visando a formação de novos políticos. Mas apenas isso será suficiente para mobilizar a população em torno dos ideais de cada sigla? O PSDB, por exemplo, tem o Instituto Teotônio Vilela só para isso, mas os tucanos encolhem há anos. Por outro lado, o União Brasil não utiliza essa estratégia e vai receber a maior parte do Fundo Eleitoral. Na festa da democracia, só mesmo o resultado das eleições para definir qual receita faz o bolo mais gostoso.