19 de agosto – Um ótimo dia para oxigenar as ideias ;)

Projeto da Prefeitura de Mogi Mirim incentiva construção de moradias populares

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Com o objetivo de reduzir os vazios urbanos e estimular o mercado da construção civil com a geração de emprego e renda no município, a Prefeitura enviou à Câmara Municipal um projeto que institui o Programa Municipal de Incentivo à Construção Civil para fins Habitacionais (PMICCH).

 O anúncio ocorreu nesta quinta-feira (18), em cerimônia realizada na Estação Educação, com a presença do Prefeito Dr. Paulo Silva e da Presidente da Câmara Municipal Sônia Módena, além dos vereadores Geraldo Bertanha, Dirceu Paulino, Mara Choquetta e Luzia Cristina. Estiveram também presentes a imprensa, inúmeros secretários e representantes de construtoras e corretores do ramo imobiliário.

 Sob a coordenação da Secretaria de Governo, a proposta permitirá que um terreno de 300 m² possa sofrer desdobro, possibilitando a construção de duas residências. Além de aquecer o mercado, a medida visa estimular a ocupação de vazios urbanos já atendidos por infraestrutura urbana, como redes de distribuição de água, energia e tratamento de esgoto, iluminação pública, coleta de lixo, asfalto e serviços públicos.

Segundo o Secretário de Governo Massao Hito, existem mais de 6.900 lotes entre 300m² e 2.000m² na área urbana. “Considerando que apenas 10% destes imóveis participem deste programa, teremos aproximadamente 1.400 casas sendo construídas. Levando-se em conta que, em cada obra, são empregados direta e indiretamente pelo menos sete pessoas, entre pedreiros, ajudantes, eletricistas, encanadores, pintores, engenheiros, arquitetos, instaladores de gesso, vidraceiros, etc, podemos ter, em curto prazo, a geração de mais de 10 mil empregos na cidade nos próximos meses”, afirmou Prof. Massao.

Com duração de 30 meses, o projeto irá abranger lotes de 300 m² a 2.000 m² e por meio da flexibilização da atual legislação, o objetivo é ampliar a oferta de moradias populares. Nestes casos, as residências poderão ter no máximo dois pavimentos – térreo e andar superior – com ocupação máxima de 60% do terreno.