23 de fevereiro – Um ótimo dia para oxigenar as ideias ;)

Operação ‘London Bridge’: o que acontece após a morte da rainha Elizabeth II

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Há um protocolo que deve ser seguido para os 10 próximos dias. De acordo com o plano, haverá três dias de visitas ao caixão.

A Inglaterra já tem um plano há anos que determinará o que acontece após a morte da rainha Elizabeth II.

A rainha morreu nesta quinta-feira aos 96 anos.

O roteiro detalha ações a serem tomadas em minutos, horas e dias após o falecimento. Em 2007, o jornal “The Guardian” publicou alguns trechos —provavelmente houve mudanças, porque esse plano foi revisto duas a três vezes por ano por funcionários do governo e do palácio, pela polícia, pelo exército e pelas emissoras de TV.

O plano é conhecido como “Ponte de Londres”. De acordo com o que se sabe desse roteiro, o que ocorrerá será o seguinte:

  • O primeiro-ministro será alertado sobre a morte da rainha, que vão dizer “a Ponte de Londres está inoperante”;
  • Será colocado um aviso nos portões da residência oficial da monarca, o Palácio de Buckingham, e logo em seguida o mesmo texto será publicado no site da família real e nas contas de redes sociais.

No plano, a data da morte representa o “Dia D”, os seguintes são D+1, D+2, e assim por diante.

Dia D

  • O Centro de Resposta Global (FCDO) enviará a notícia para os 15 governos fora do Reino Unido onde a rainha é Chefe de Estado, e para os outros 38 países da Commonwealth, onde ela é respeitada.
  • Os ministros são imediatamente informados por e-mail do falecimento da rainha. Após isso, as bandeiras em Whitehall são abaixadas a meio mastro (em 10 minutos a partir do momento do anúncio)
  • Primeira-ministra Liz Truss fará pronunciamento oficial e programará evento com o novo Rei.

Dia D+1

  • O Conselho de Adesão deve se reunir com Charles para proclamá-lo rei;
  • Todos os trabalhos parlamentares serão suspensos por 10 dias;
  • Reunião entre a primeira-ministra, governo e o novo rei.

Dia D+2

  • O caixão da rainha retornará ao Palácio de Buckingham pelo trem real ou de avião.

Dia D+3

  • O rei Charles receberá a moção de condolências no Westminster Hall;
  • Em seguida, embarcará numa viagem de luto pelo Reino Unido, começando pela Escócia. Ele receberá uma moção de condolências no Parlamento escocês e participará de um serviço na Catedral de St Giles, em Edimburgo.

Dia D+4

  • Charles chegará à Irlanda do Norte, onde receberá outra moção de condolências no Castelo de Hillsborough e participará de um serviço na Catedral de St Anne em Belfast;
  • Haverá um ensaio para o transporte do caixão entre o Palácio de Buckingham e o Palácio de Westminster

Dia D+5

  • O caixão da rainha será transferido do Palácio de Buckingham para o Palácio de Westminster através de uma rota cerimonial por Londres. Quando chegar, haverá um serviço memorial no Westminster Hall.

Dia D+6

  • O corpo da rainha ficará no Palácio de Westminster por 3 dias recebendo visitas. Os ingressos começarão a ser comercializados;
  • Será realizado um ensaio para o cortejo do funeral de Estado.

Dia D+7

  • Charles viajará para o País de Gales, para receber uma moção do Parlamento galês e assistir a um serviço na Catedral de Liandaff em Cardiff.

Dia D+8 e +9

  • Milhares de pessoas devem prestar suas homenagens à monarca mais longeva da história do Reino Unido.

Dia D+10

  • Este dia será proclamado Dia de Luto Nacional;
  • Funeral de Estado será realizado na Abadia de Westminster;
  • Haverá 2 minutos de silêncio ao meio-dia em todo o país;
  • Serão 2 procissões, em Londres e Windsor;
  • A Rainha será sepultada no Castelo de Windsor, na Capela Memorial do Rei George VI (ao lado de seu pai).

Depois deste processo, o retrato da rainha ficará pendurado com uma fita preta em todas as prefeituras por um mês (o período de luto), até de ser transferido para um “local adequado” e trocado por um retrato do novo rei.

Todas as flores colocadas dentro e ao redor de palácios reais e prefeituras públicas serão removidas após o funeral de estado.

Rainha Elizabeth II pouco antes de receber a primeira-ministra do Reino Unido, Liz Truss, em 6 de setembro de 2022 — Foto: Kirsty O’Connor/AP

Fonte: G1.