22 de fevereiro – Um ótimo dia para oxigenar as ideias ;)

Liberdade de agressão?

homem de óculos ao lado de banner com o título "Política e economia no dia a dia"
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

@FernandoRingel

O senador Marcos do Val (Podemos) foi hostilizado enquanto caminhava na orla de Vitória, Espírito Santo. No vídeo viralizado no último dia 25, um homem segue o político enquanto fala: “Você é a maior vergonha da história capixaba. É a vergonha do país e do estado. Você tem que tratar não é o coração, não. É a cabeça. Vai nessa, meu irmão. Foge mesmo, meu irmão. Você é burro. Você é a maior fake news que tem”. Trata-se de uma ocorrência semelhante à registrada com Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), que em viagem com sua família à Itália, foi hostilizado por brasileiros. Segundo investigação da Polícia Federal, além de ofensas verbais, o caso incluiu até mesmo agressão física do filho do ministro.

Pois é, pragas de uma época em que todo mundo tem no celular o acesso a toda a sabedoria produzida pela humanidade, mas que parte da população usa o aparelho para vomitar ódio. Coisas de uma época em que sobra gente precisando de terapia, mas falta dinheiro para pagar o tratamento.

Compreende-se que o povão nunca teve grande simpatia pelas autoridades, mas tudo tem limite. Infelizmente, muita coisa na Constituição ainda não é respeitada, mas andar na rua sem medo de ser agredido é um direito básico para que qualquer brasileiro.

Respeito é bom e todo mundo gosta

O problema das leis é que, apesar de filtros como as votações na Câmara e no Senado, sem falar na possibilidade de veto do presidente, tudo depende da capacidade de articulação política e também do senso de oportunidade dos parlamentares em captar o que o eleitorado quer no momento. É aí que, na tentativa de “surfar na opinião pública”, uma lei pode ser criada como forma de legalizar medidas questionáveis. Um exemplo inofensivo disso foi o decreto de Getúlio Vargas, em 1940, proibindo as mulheres de jogar futebol. Entretanto, o mundo é cheio de lições sobre como coisas aparentemente despretensiosas podem se tornar graves e essa é uma das acusações da oposição ao tal “Pacote da Democracia”, proposto por Lula.

Na realidade, fica aquele papinho de sempre: quem está de um lado defende o seu ditador de estimação, os do outro lado defendem os políticos deles e só o “pessoal de lá” comete erros. Enquanto isso, o pacotão de propostas, que inclui a possibilidade de prisão de até 40 anos para quem atentar contra a vida do presidente do país, seu vice, além dos presidentes do Senado, Câmara, ministros do STF e do procurador-geral da República segue para análise no Congresso Nacional.

Ainda vai muito tempo até essa novela ter o seu capítulo final, mas a coisa é simples, foi ensinada desde os tempos da escola, mas nem todo mundo aprende: respeito é bom e todo mundo gosta, não é? Democracia não é poder fazer absolutamente tudo o que se deseja, e isso vale para todos. Às vezes, até mesmo o óbvio precisa ser explicado.